sábado, 22 de outubro de 2011

Até o final!


Torcedor 1 – Olha, gol!
Torcedor 2 – Gol?
Torcedor 3 – Que gol bizarro!
Torcedor 2 – Gol mesmo?! Vamos comemorar!
(A torcida comemora com grande entusiasmo, apesar de ser 47 do segundo tempo).
Torcedor 1 – O cara da imprensa nem tá mais aqui.
Torcedor 2 – Sacanagem!
Torcedor 1 – Ah, o cara já se mandou...
Torcedor 3 – Mas a torcida ainda tá aqui!
Torcedor 2 – E como foi o gol?
Torcedor 1 – Você não viu?
Torcedor 2 – Não.
Torcedor 1 – Foi um gol feio, bate-rebate-entrou.
Torcedor 3 – Já pensou se o Paraná empata?
Torcedor 2 – Seria bonito.
Torcedor 1 – A Ponte tá vacilando muito.
Torcedor 2 (subindo na grade) – A gente podia provocar a torcida adversária.
Torcedor 3 – Como aquele ali? – e aponta para um torcedor ponte-pretano que acha uma brecha na lona que oculta uma torcida da outra, grita dois impropérios e pára.
Torcedor 1 – Desistiu.
Torcedor 2 (grita para a torcida adversária, que nessa hora pressiona pedindo o fim do jogo) – Tão com medo? Tão com com medo?
Torcedor 1 (apontando para um integrante da comissão técnica, na beira do gramado) – Olha aquele lá, o desespero.
Torcedor 2 – Chuta pra frente! Chuta pra frente! Antes que o jogo aca...be... acabou.
Torcedor 3 – Quase, ein?
Torcedor 1 – Deu um sufoco na Ponte nesse finalzinho.
Final: Ponte Preta 4 x 3 Paraná Clube.
E quando Vannucci, eu e Ricardo saímos do Moisés Lucarelli, toda a torcida do Paraná que resistiu até o final e pôde comemorar o terceiro gol da equipe deixou o estádio (detalhe: eu, que não vi o gol, era o único torcedor paranista). Enquanto nos afastávamos, combinávamos de aparecermos para um próximo jogo – mas na torcida animada.

Campinas, 22 de outubro de 2011.

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Ruth, a balconista.

Não é incomum pessoas mais velhas e mais doentes se apaixonarem pelas suas enfermeiras, até mesmo se casarem com elas – vide o caso de Stephen Hawking. Incomum também não é pessoas mais novas, na efervescência dos seus hormônios, se apaixonarem pela caixa do mercado, pela atendente da loja ou, como Daniel Francoy – apesar de já estar um tanto além dessa idade hormonal –, pela chinesinha da lanchonete da esquina – casos que dificilmente sairão desse platonismo de balcão, que tenta se rebelar contra as relações mercantis que se interpõem a uma grande paixão. Eu, apesar da “ralidade” dos cabelos e das muitas doenças que coleciono este ano – em 2011 já tive contato com mais doenças diferentes do que com mulheres, o que não é algo muito difícil; de qualquer forma, não mudaria a frase mesmo que fosse um Don Juan –, insisto em parecer jovem, abaixo dos vinte e cinco anos. Daí que, tendo minha mania de não ficar nem lá nem cá – o que acaba por não desagradar tanto quem está pra lá quanto quem está pra cá, como acaba também por não agradar ambos os lados –, decido me apaixonar não pela enfermeira, que meu caso não é dessa gravidade, mas pela atendente da farmácia de nome Ruth – porque ainda tenho meu lado jovem.
Entrei naquela farmácia, ao lado da casa da minha última namorada – coincidentemente –, de uma rede que possui loja não tão longe de onde moro, porque era caminho para a acupuntura. Calhou que o remédio estava mais barato do que nos outros lugares. É claro que não foi a economia que me fez ficar apaixonado por Ruth: é que além da beleza e simpatia, ela ainda ostentava um belo par de olhos, um belo par de bochechas e sardas na quantidade certa. E é claro também, não sou mais adolescente, não é porque preciso de um antisséptico bucal, ou um complexo vitamínico, ou algum remédio que irei pegar dois ônibus para ir, outros dois para voltar, gastando assim seis reais, apenas para ver se na farmácia onde Ruth trabalha é mais barato: fico sem o antisséptico, as vitaminas, o remédio, até o dia em que, tendo que ir ao centro por qualquer motivo, dou uma desviada no caminho até o Cambuí, e aí, sim, sabendo o horário que trabalha – próximo ao meio-dia –, vou em busca do que me falta – falo dos remédios. Assim faço, e lá está ela! Já ocupada com outro cliente, fazendo outra coisa que não atendendo, e eu sem outra oportunidade de ser atendido pela própria, ter seu sorriso só pra mim.
Uma amiga já me avisou que cantada na farmácia, comprando remédio, não parece uma boa, não passa a melhor das impressões. Sugeriu que minha outra paixão platônica daria mais futuro – apesar de eu não conseguir saber que futuro dá o platonismo. Concordei com ela, ainda que não tenha desistido de freqüentar a farmácia da Ruth. E sobre a ressalva posta, ainda guardo minhas esperanças: vai que ela imagine que todos aqueles remédios que eu compro, com a receita em meu nome, são para outra pessoa que não eu?

Campinas, 21 de outubro de 2011.

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Entre escolhas e a indignação


Em Indignação, Philip Roth narra parte da história de vida de Marcus Messner, que para fugir do pai repentinamente super controlador, transfere a faculdade da Robert Treat, na sua natal Newark, próximo a Nova Iorque, para Winesburg, localizada na área rural de Ohio, e dedicada a formar engenheiros e profissionais liberais. De uma vida urbana, em que dividia bancos da praça com mendigos e tinha aulas com professores vindos de NY e de viés esquerdistas – a história se passa em 1951, a Guerra das Coréias acontecendo e a ameaça de ser chamado para lutar, caso não esteja cursando uma universidade é uma constante –, acaba numa universidade em que é obrigado a freqüentar aulas de religião, onde impera o moralismo mais tacanho e os alunos se segregam por “fraternidades”. De um lugar onde ele estava relativamente bem adaptado e em que o diferente era o outro, passa a ser ele o diferente: judeu, ateu, que pretende ser um livre-pensador, independente, que se nega a participar de uma fraternidade, a se adequar aos moldes que todos os alunos da Winesburg seguem.
Por conta disso, fica difícil conciliar seu espírito cosmopolita com a visão estreita dos demais alunos, e suas desavenças com colegas de quarto surgem rapidamente. Primeiro com Flusser, num quarto de judeus no qual lhe havia sido reservada uma cama; depois com Elwyn, cuja frieza e distância de início pareceram positivas, mas depois se tornaram insuportáveis. A única pessoa com quem consegue ter uma relação mais próxima é Olivia Hutton, primeira garota com quem tem algum tipo de relação sexual, e que fora mandada a Winesburg pelos pais com o intuito de que se reabilitasse, depois de, bêbada, ter tentado suicídio cortando os pulsos – com ela, mais do que amor romântico, há um quê de identificação. Por conta das mudanças de quarto, é chamado pelo diretor da instituição, o dr. Caudwell, com quem acaba discutindo asperamente desde a vigilância sobre suas mudanças de quarto até a obrigatoriedade das aulas de religião, passando pela sua recusa em entrar no time de beisebol ou em alguma fraternidade.
Estão postos os elementos para a crônica de um fim anunciado. Marcus sabe – como quem lê sabe – que, na vida dele, para dar errado, basta fazer o “certo”, basta deixar de ser diferente – apesar que foi justo por ser diferente que ele vai se emaranhando nas tramas em que se perde cada vez mais. É sempre pensando no seu melhor – ou por amor –, que seu pai, sua mãe, Sonny Cottler, da fraternidade judaica, Flusser, Caudwell, vão empurrando Marcus para um fim que não é inexorável, mas que lhe custará abdicar da sua independência, de ser o livre-pensador em tempo integral – por um período, que seja. Mas parece ser justo essa liberdade o que mais o caracteriza.
E se por um lado Marcus, na efervescência dos seus dezoito anos ainda não é capaz de saber que suas escolhas mais banais podem levar a resultados desproporcionais, Caudwell tem plena certeza disso – como tem plena ciência do que está acontecendo no mundo. Porém Caudwell é um acadêmico, cristão, moralista. Marcus Messner é apenas outro aluno qualquer – da pior espécie, dos que não obedecem hierarquias.

Campinas, 19 de outubro de 2011.

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Médicos, palhaços e uma minoria que faz questão de ir além.

Outlier é como a estatística chama os casos em uma amostra que estão muito fora do espectro das respostas padrões, e por isso são desconsiderados. Reconheço que eu via como outliers o que chamo de bons médicos, aqueles que além dos conhecimentos técnicos exigidos, têm atenção e cuidado para com seus pacientes – nada excessivo, apenas o necessário na relação entre duas pessoas. Resistia – e ainda resisto – em taxar essa minha postura como preconceituosa, ainda que tampouco a julgue positiva: diria antes que se trata de má vontade com a classe médica, fruto de interação não apenas com médicos enquanto profissionais, mas com parentes que seguiram a profissão, e de ter morado com estudantes de medicina, numa república que virou ponto de encontro de parte da turma – para não falar do relato de amigos não-médicos que trabalham na área da saúde.

Semana passada tive a oportunidade de pôr essa minha concepção à prova, ao aceitar o convite para participar de uma mesa sobre máscaras sociais, no evento Medicina, Cultura e Arte 2, organizado pelos alunos da Faculdade de Medicina do ABC – convite que me surpreendeu, tanto quanto o teor do evento.

Por conta de alguns acasos, acabei ficando além, muito além da mesa que participei, e do que havia planejado e esperava: como domingo precisaria estar em São Paulo de novo, aceitei a sugestão e o convite para dormir no Diretório Acadêmico, onde acampavam parte dos participantes de outras cidades. Com isso pude ter um contato com os alunos bem maior do que havia tido durante a tarde, alunos tanto da FMABC, quanto de outras universidades, Unesp, Curitiba, Recife. 

Como um deles mesmo admitiu, estudantes e médicos como os participantes do MCA são minoria – porém minoria é diferente de outlier! E, mais animador: trata-se de um pessoal ciente que está numa posição de poder perante a sociedade, e que está disposto a refletir sobre as próprias práticas – disposição que me pareceu até maior do que na grande maioria de quem é das ciências humanas, até porque enquanto estes se julgam pensadores natos, e isso os desobrigaria da auto-reflexão, aqueles sabem que estão tendo uma formação técnica e se vêem forçados a ir além do que a faculdade oferece.

Voltei do ABC mais otimista: descobri que médicos e futuros médicos com uma visão holística do paciente existem em maior número do que eu imaginava, e estão se organizando – pelo que entendi, começam a. Quem sabe em um futuro não tão distante, aliado a políticas governamentais e iniciativas institucionais que já ocorrem, médico da saúde da família, por exemplo, não seja considerada uma carreira para os fracassados.

Campinas, 11 de outubro de 2011.

ps: o título fica por conta de muitos dos estudantes com quem conversei participarem do projeto "Sorrir é viver", que, pondo alunos transformados em palhaços (clowns), procura humanizar a formação médica e dar uma aliviada no carregado ambiente hospitalar. É inspirado nos Doutores da Alegria (que fizeram uma apresentação-palestra no primeiro dia do evento, por sinal) e na medicina de Patch Adams.