segunda-feira, 18 de maio de 2009

Mediocridade e conservadorismo na universidade brasileira: o movimento estudantil

Soube que o autodenominado movimento estudantil se questionou por esses dias sobre seu rumo. Seguindo o que me parece ser a regra do pensamento acadêmico brasileiro no século XXI (desconheço outras épocas ou países), tal questionamento vem tarde, mal posto e passa longe do essencial. Não penso que essa precariedade logo de cara seja fruto necessariamente de má-fé: pode ser de má-formação. Ou medo, dada a importância que o militantismo não raro adquire na vida de alguns militantes. Para estes, questionar certos pressupostos poria todo seu entendimento do mundo, todo seu ser, toda sua identidade abaixo. Como um evangélico que se questionasse o que há de fé na sua ostentação narcísica do nome de Jesus.
Sem negar a questão do rumo, recuemos um pouco nos questionamentos, em busca de questões um pouco mais promissoras.
Cabe primeiro perguntar o que é o tal do movimento estudantil. Se resumiria este ao sindicalismo estudantil, feito aos moldes de CUT ou Força Sindical, tocado por militantes politiqueiros, pretensamente politizados, porque filiados à juventude de um partido ou a um movimento marxista dito revolucionário? Parece ser essa a compreensão mais aceita. Uma solução ótima para a maioria, aquela que está na universidade para estudar (e festar, pois ninguém é de ferro) e não para perder seu tempo com política e outras besteiras afins. Que quando muito vota na eleição do DCE, e com isso se crê politizada o suficiente para depois, já detentora de título acadêmico, exercer sua cidadania para a construção de um país melhor. Em geral, contudo, ela passa o tempo todo xingando "esse pessoal vagabundo do IFCH" e o DCE (e sempre esquece quem organiza as festas às quais vai e nas quais seu único trabalho é encher a cara e caçar alguém). Solução ótima também para o sindicalismo estudantil: ganha legitimidade perante a burocracia universitária com a eleição e pode culpar "os estudantes alienados" (entre os quais se incluem os não alinhados) pelo seu reiterado e retumbante fracasso: culpar os outros é sempre mais fácil e mais cômodo do que admitir os próprios erros.
Tentemos sair um pouco desse modo de pensar viciado, cômodo (pois já pensado), limitado e limitante. Encaremos, por um instante que seja, que o movimento estudantil seja composto por todos os alunos que deliberadamente se engajam em uma atividade que repercute politicamente (política aqui entendido num sentido amplo) de algum modo para além do círculo dos seus próximos, podendo se restringir ou não às grades da universidade. Com tal concepção poderíamos encarar como movimento estudantil, além do sindicalismo estudantil (e seu braço idiotizado, as atléticas acadêmicas), as empresas júnior, os projetos de educação popular, o trote da cidadania e outras atividades, como a Rádio Muda e publicações diversas dos estudantes. Não entram nessa classificação as diversas seitas religiosas que pipocam na universidade (teoricamente laica).
Com essa concepção ampla, o que temos também não é lá muito alentador. As empresas júnior dispensam maior análise. Seu caráter conservador e acrítico (na melhor das hipóteses) é essencial. Pode-se argumentar que ajudam na formação do futuro profissional. Cabe perguntar se o papel de uma universidade de primeira linha - e pública ainda por cima - é formar profissionais. Mas essa é uma questão que vai além das empresas júnior e recai sobre a própria universidade, sua inserção na sociedade, seu projeto pedagógico, seu processo de seleção de ingresso, etc.
Já os projetos de educação popular, ainda que não raro contem com a participação de integrantes do sindicalismo estudantil e dependam muitas vezes dos centros acadêmicos, justamente por não terem a legitimidade diante da burocracia universitária que estes têm, abrem uma grande possibilidade de elaboração de um pensamento crítico. Pois quer funcione dentro ou fora do campus, seu alcance extrapola a academia, forçando o estudante a lidar na prática com uma outra realidade, absolutamente alienígena à universidade ou aos sindicalismos. Claro, vale ressaltar que é apenas uma possibilidade essa elaboração do pensamento, e que, ao que tudo indica, a maioria dos que participam desse tipo de projeto desperdiçam. A Rádio Muda, guardada suas diferenças, compartilha(va) dessa possibilidade.
Resta, enfim, o Trote da Cidadania, prova cabal do fracasso do sindicalismo estudantil.
O Trote da Cidadania começa a se apresentar como o pólo mais forte na determinação do rumo do movimento estudantil. E isso é aterrorizante! Ficando num meio termo entre o reacionarismo das empresas júnior e o conservadorismo de esquerda do sindicalismo estudantil, a idéia de ação política e de cidadania que o Trote da Cidadania inculca (ou reforça) é de um voluntarismo filantropo acrítico e conservador. Não que o sindicalismo estudantil não seja conservador e acrítico, mas pelo menos ele não se orgulha tão explicitamente de sê-lo. Ao menos a concepção de cidadania que o sindicalismo estudantil defende tem a ver realmente com a figura do cidadão, e não com a do consumidor (pseudo) consciente.
Esse ponto positivo, porém, cai no vazio diante da retórica raivosa e anti (o que for) que o sindicalismo estudantil possui. Retórica que, combinada com a prática corrente dos militantes, serve para afastar elementos indesejados de assembléias ou espaços tidos por políticos. Por elementos indesejados entenda-se todos os alunos não alinhados às idéias "revolucionárias" que os grupos que disputam a máquina sindical acadêmica pregam. O Trote da Cidadania aproveita dessa precariedade na elaboração do discurso e de propostas e trata de angariar uma legião da boa vontade que ingressa todos os anos na universidade, alunos com pesos pequenos-burgueses de consciência, ávidos por ajudar o próximo, talvez numa tentativa ingênua de construir um outro mundo possível, talvez para estarem redimidos de antemão do que vierem fazer ou cobrar depois de formados. E como a moda hoje não é gritar contra o capitalismo, mas ser amigo da natureza e ajudar os mais necessitados - usando canecas, plantando árvores e distribuindo sacos de farinha -, o poder de penetração e convencimento do Trote da Cidadania humilha o do sindicalismo estudantil. Não só por isso. Vale lembrar que quem entrou na universidade nos últimos anos cresceu sob um Lulinha paz e amor e viu a arena política se restringir a brigas de egos, sem qualquer contraposição entre alternativas de governo e propostas de país. Ao sindicalismo estudantil, sem capacidade de se atualizar e preso à mentalidade de 1960 - e olhe lá! -, não restou melhor alternativa que se conformar (ainda mais) e pregar aos convertidos, em número cada vez mais escasso. Quando resolveu adotar uma postura mais boazinha, um discurso menos raivoso, uma estética mais bonitinha, slogans mais próximos do Trote da Cidadania, o resultado foi o fim da já precária mobilização. Está aí o exemplo do PSOL-DCE, hoje com uma influência na vida acadêmica igual à minha, talvez um pouco menor.
Idealizado por grandes empresas "responsáveis", o Trote da Cidadania tem por pressuposto o fim da política. Ele rebaixa o cidadão a mero consumidor ao criar um vínculo entre mercado e cidadania, em que movimentos contestatórios legítimos, como MST, MTST, quilombolas, entre tantos outros, são mal vistos por desestabilizarem a harmonia necessária para o progresso - requento positivista em voga com a cidadania de mercado. Na referida mobilização não há qualquer ameaça de uma reivindicação ou conflito com os detentores do poder - seja econômico, seja político. No máximo, temos a culpabilização do cidadão-consumidor via ameaça do apocalipse ecológico (não que ele não deva ser responsável por seus atos, políticos ou de consumo, mas somente o indivíduo deve ter responsabilidade?). Trata-se, em suma, de um movimento político que tem por objetivo esvaziar a política do seu conteúdo mais político: o conflito. Política sem conflito só é política no nome. No conteúdo é totalitarismo travestido de teatrinho democrático engana bobos. Em tempo: os arroubos hormono-revolucionários do sindicalismo estudantil não passam de teatrinho infantil, uma vez que cumprem um papel pré-definido e esperado, de forma que não há aí um real conflito. Na concepção que defendo, para haver conflito e, conseqüentemente, política, é preciso, antes de tudo, que se abandone o pensamento binário e que os personagens políticos se encarem como adversários e não como inimigos a serem aniquilados, como as lutas do bem contra o mal com que somos educados pelo cinema de massas ou cartilhas de esquerda.
E qual seria a alternativa para esse rumo que o movimento estudantil caminha a passos largos? Certamente não é o sindicalismo estudantil. Pelo contrário, este até agora tudo o que fez foi reforçar essa tendência, ao ocupar com seus vazios os espaços políticos e contestatórios, ao importar e reforçar a idéia de democracia representativa na universidade e ao aniquilar qualquer tentativa autônoma de organização dos estudantes. Afinal, sua legitimidade perante a burocracia acadêmica tem como contrapartida a manutenção dos estudantes como massa passiva e bem comportada.
O que não é muito difícil, visto que a passividade é a tônica no contexto social atual. Sua ocupação vazia do espaço político apenas completa a tarefa, ao dificultar a aglutinação de estudantes interessados em agir politicamente por meios "heterodoxos". Caso tais estudantes consigam se reunir, não é difícil um militante adentrar tal grupo e dinamitá-lo por dentro. Não que o faça necessariamente por querer, mas por ser incapaz de perceber que há outras formas de organização política, assim como é incapaz de ver que a necrofilia que carrega com seu militantismo paralisa e mata projetos alternativos. Também não é vaticinado que um militante mata, ou mesmo prejudica, todo projeto que adentra. Às vezes consegue, como é o caso que resultou no patético "Pula, gado, a catraca", de 2004. Outras vezes militantes tiveram uma contribuição muito positiva para desenvolvimento de uma ação política heterodoxa (novamente remetendo a uma experiência pessoal, cito o Cursinho Popular Machado de Assis). De qualquer forma, por estar imbuído de forte mentalidade conservadora, bem ajustada ao mecanismo de fazer política (leia-se politicagem), um militante costuma ser mais predisposto a aniquilar novas idéias e iniciativas.
Há esperança, mas não para nós. A frase de Kafka me é sempre convidativa diante um mundo cada vez mais árido e desalentador, em que a esperança é vendida como souvenir em boutiques de shopping centers, concorrendo com camisetas do Che, carros do ano e drogas de última geração. Mais convidativa ainda quando encarada em um ambiente de certezas absolutas, cronometradas e burocratizadas, como é a universidade. Em que tudo é programado e previsível, conforme o cronograma da Fapesp, a pesquisa de laboratório, as agitações vazias do sindicalismo estudantil, os debates estéreis entre pesquisadores que não sabem ouvir nem dialogar. Em que são formados técnicos detentores do rótulo de intelectuais, o que lhes dá autorização para falar sobre tudo com a mesma propriedade que falam sobre aquilo que se especializaram. Contudo, meu romantismo anacrônico insiste em achar que há brechas por onde é possível escapar dessa asfixia tecnocrática e se deparar com o inédito em nossas vidas. Em que possa acontecer a política e não esse simulacro que quotidianamente nos anestesia. Estarei sozinho? E onde encontrar tais brechas? Penso que, como diz Mia Couto, não seja o caso de encontrar, mas de construir. Falta-nos, talvez, a coragem de arriscar. Sobram os avisos de perigo para os caminhos desconhecidos. E esquecemos que tais avisos partem de quem nunca os percorreu e que, como nós, não sabe de ninguém que os tenha percorrido. Esquecemos, habituados que estamos com o pensar acadêmico, que a vida é mais dinâmica e mais viva que nossas pesquisas. E apáticos fingimos alegria com o papel que nos designaram à nossa revelia, que anunciamos como nossa escolha e que engolimos sem parar para pensar se é do nosso agrado nos limitarmos a tão pouco.

Campinas, 03-18 de maio de 2009

5 comentários:

Anónimo disse...

muito grande

Anónimo disse...

Realmente ótimo o texto... concordei com ele em todos os aspectos, expressou muito do que também penso e me fez pensar mais ainda!

lpereira disse...

Confesso que hoje em dia não tenho mais saco pra isso, mas escrevi duas teses sobre esse exato tema:

http://lpereira.wordpress.com/2005/09/04/uma-noite-e-meia/

http://lpereira.wordpress.com/2006/09/19/angiosperma-dictotiledonea-cariofila-abaixo-a-media-7/


E, se quiser entrar em discussões ideológicas, um artigo meu publicado no mais famoso site conservador brasileiro (mas, infelizmente, foi removido em um ataque que o site sofreu, segue cópia no meu blogue)
http://lpereira.wordpress.com/2007/04/10/o-debate-medular-ou-por-um-movimento-estudantil-intelectualmente-digno/

Marina disse...

Primeiro queria parabenizar pelo texto. Resume boa parte do que eu penso sobre a política universitária.
Discordo da caracterização da Empresa Júnior. Isso porque vivenciei o MEJ (movimento empesa júnior) em todas suas intâncias, desde dentro da empresa no meu instituto, no Núcleo da Unicamp, na federação estadual e até em algumas discussões em âmbito nacional. Acho que sua opnião bate no estereótipo que as EJs têm na Unicamp.
Mas o movimento tem objetivos políticos sim, de desenvolvr o país e formar pontes entre a universidade e a sociedade. Concordo que algumas reflexões sobre o modelo proposto devem ser feitos. Mas devo ressaltar que na minha vida universitária, as maiores reflexões e os debates que tive sobre questões-chave do país foram no MEJ.
Saindo um pouco do MEJ e falando do assunto do movimento estudantil em geral, é impressionante ver como o tema "política" virou palavrão para os alunos da Unicamp. Os movimentos que se denominam políticos (DCE, CAs) acabam virando entidades isoladas do resto do corpo discente e apoiadas na burocracia oficial em busca de legitimidade. Já os nascentes grupos que não se denominam políticos (apesar de terem efeitos nessa esfera) acabam pecando por omissão. Não refletem os se fazem presentes em vários debates importantes da vida universitária.
E aí fica o ponto: os estudantes não são apáticos, há sim um sentimento difuso de insatifação com o modelo de país em que vivemos. Mas como articular isso de alguma maneira coerente e com efeitos práticos?
Enfim, curti o texto. :)

Leonardo Borin Manfrin disse...

Esta semana falei indiretamente sobre a que você se refere em seu texto. Pra variar, belo texto e concordo com você meu amigo. Até rapaz.