terça-feira, 19 de junho de 2012

Politicamente correto e preconceituoso

Quem me conhece sabe que não sou afeito ao politicamente incorreto: encaro-o como, via de regra, um verniz modernex utilizado como subterfúgio para ocultar uma inteligência limitada e um moralismo encruado. Se ficarmos nos exemplos dos humoristas que seguem essa linha, não lembro de nenhum que, quando chamado a falar sério, se mostrou digno de respeito por sua inteligência – podem ser espertos, vivos, mas capacidade de reflexão é algo que passa longe. Talvez alguém pudesse sugerir o Marcelo Tas, raposa esperta (que oculta muito bem sua plumagem), mas ele antes coordena seus miquinhos amestrados do que ele próprio apela para esse tipo humor. Exemplo do moralismo dos adeptos desse pensamento, dou sempre o mesmo: uma noite, passava em frente ao teatro Comedians, especializado em stand up comedy, e havia a tradicional enorme fila de pessoas descoladas que esperavam para rir de piadas de pretos, pobres, putas, gordos e gays. Estava havendo ali um forrobodó porque um dos espectadores insistiu em furar fila. Chamaram a polícia e o homem foi preso. Politicamente incorreto só com os outros, porque para si o mais tacanho respeito à ordem.

Nestes tempos de informática, zero e um, quem não me conhece vai achar que, por não coadunar com o politicamente incorreto, automaticamente defendo o politicamente correto. Equivocam-se. O politicamente correto soa como um mar de boas intenções para o século XXI em uma mentalidade pré-moderna, que não aceita a diversidade, a alteridade, e nega a democracia mais radical: aquela fundada no dissenso. Para não dizer que ainda não conseguiram se adaptar a contento no Estado democrático de direito – por mais precária e limitada que seja esta forma de organização da sociedade. Dizer o que pensa deveria ser livre, assim como arcar com os custos de suas opiniões: como disse Renato Janine Ribeiro em um dos casos envolvendo o comediante Rafinha Bastos: deixa ele falar, ele que não se faça de vítima depois, que tenha responsabilidade por aquilo que fala, diante de quem ofende, e responda judicialmente. Parênteses: utilizar de concessão pública – emissoras de rádio e tv – para divulgar preconceitos e racismos é outra história, porque aí entra a anuência do Estado. Fecha. Em entrevista à Folha, a advogada Janaína Conceição Paschoal traça bem as limitações (intelectuais e de concepção de mundo) da onda do politicamente correto que vivemos: enfatizar a prisão, ao invés de penas alternativas, serve para transformar ladrão de galinhas (ou torturador de galinhas, vá lá, agora que aprovaram a lei que pune quem maltrata animais com retenção) em homicida profissional (de gente). Como André Dahmer, dos Malvados, diz em uma tira: “um sistema penal preocupado com a segurança das galinhas”.


É no campo semântico que ocorrem dos mais quixotescos gládios – alguns dos quais, assumo, eu encampo, ao menos para meu próprio uso. E não só no Brasil. Denys Arcand em seu filme A idade das trevas (traduzido horrorosamente como A era da inocência) retrata o absurdo (e ridículo) do politicamente correto no Canadá. Isso para não dizer das feministas e sua luta contra o latim.

Foi uma amiga minha, cujo pai é angolano, que me fez me dar conta do tamanho do preconceito que o politicamente traz embutido: e traz como pressuposto positivo, e não como algo a ser combatido. Politicamente correto não diz “negro” ou “preto” para “pessoas de cor”, e sim “afro-descendentes” ou “afro-brasileiros”. Como o próprio termo diz, se trata de pessoas cujos ancestrais vieram da África. Oculta está a idéia de que tais ancestrais eram necessariamente negros. Vem daí a questão da minha amiga: ela é filha de um angolano não negro, mas moreno claro: deixa de ser afro-descendente? Pior se eu lembrar do porteiro do prédio que eu morava em Ribeirão: era moçambicano, e bem mais branco do que eu, que sou bem branquelo. Alguém tentando manter a pureza das boas intenções do termo pode argumentar que antes de serem africanos, eles têm origem européia: ótimo, voltaremos à questão de etnia, ligada ao solo, a uma tradição cultural – e só não falaremos em raça porque é politicamente incorreto. Mas mesmo a esse há argumentos: o mar Mediterrâneo não banha só a Europa: na outra margem está a África, a África branca (geralmente islâmica): Zidane, para ficar apenas num exemplo famoso, é neto de argelinos, e a Argélia fica na África. Se trata de branquelão tanto quanto eu. Deixa de ser afro-descendente por não ser negro?

Vão me acusar de má-fé, pois eu sei bem o que quer dizer afro-descendente, e apenas quero confundir as coisas. É verdade: abuso da má-fé com o termo e sua acepção politicamente correta. Acontece que a África não possui só negros, como não é feita só de savanas com leões e girafas. Nem tudo está perdido, contudo. Minha mãe deu uma boa sugestão de como combater esse preconceito dos politicamente corretos sem abandonar o termo “afro-descendentes”: basta chamar aos que tem origens na África negra de “afro-negro-descendentes”.


Pato Branco, 19 de junho de 2012.

1 comentário:

ALEXANDRE disse...

Brinco que matam a língua achando que, com isso, matam as más-intenções (ou os "maus traços da cultura", "ignorâncias perpetuadas", enfim).

Gosto muito de um clipe recente, do Alexandre Pires com Mc Catra, em que uma galera (se não me engano o Neymar está incluso) invade e toca o terror numa casa em que mulheres vultuosas tomam banho de piscina; o detalhe: estão todos vestidos de gorila.

O vídeo gerou um belo reboliço, entidades afro-representantes alertaram para o escândalo daquilo e diziam à Folha que não entendiam como aqueles artistas, "líderes e exemplos para suas comunidades", se "prestavam a transmitir aquela mensagem" - coisas do tipo.

Eu leio de outra forma: assimilando aquela imagem, a princípio preconceituosa, eles a deturpam e a esvaziam do teor inferiorizante. Internalizar, re-significar, contaminar. Me parece muito mais natural e eficiente que bater de frente com intelectualizações impraticáveis!

Exemplos do futebol:

xingávamos os palmeirenses de "porcos" - virou mascote;

chamavam os corinthianos de "maloqueiros" - virou grito-de-guerra ("GRAÇAS A DEUS!")

[aqui insiro a piadinha incorreta que sempre ouço acompanhando o raciocínio: quando é que os sãopaulinos vão adotar o "bambi" com o mesmo orgulho? hê-hê..]

Vivemos uma época muito complexa; os limites estão se desfazendo, os discursos ganham múltiplas leituras e seus oradores se usam disso pra disfarçar suas intenções - ou só chutam o balde, mesmo.

Existe um conceito muito antigo da comédia: ao contrário dos outros gêneros teatrais, em que há uma identificação direta com os personagens (drama) ou uma admiração/adoração por seres elevados (épicos), na comédia nos distanciamos e rimos até dizer chega de personagens <> a nós - ridículos, mesquinhos, atrapalhados: "defeituosos" (mesmo que, em muitos aspectos, compartilhemos dos mesmos defeitos).

Arrisco aqui que rir de si próprio é um passo importante para reconhecer as próprias limitações.

No caso Pires-Catra, o que está em jogo não é uma limitação, nem um defeito, mas uma associação errônea e maldosa. O que eles fazem é deslegitima-la ao trocar a intenção da associação: como disse um amigo meu, "MACACOS SÃO MUITO LEGAIS!" Admito que é um golpe arriscado, mas é justamente aí que vejo seu valor.


Finalizando: acho muito mais interessante chamar meus amigos pretos com carinho sincero do que ficar higienizando Monteiro Lobato nas escolas.
Aliás, se é pra se preocupar com valores, que desistam logo de exaltar o sobrancelhudo - e fingir que ele nunca escreveu/"tava só tirando uma onda" com O Presidente Negro.


Pano pra manga temos de sobra.